16.7.08

cantilena

foram meus poemas
feitos a duras penas
com próposito apenas
de te agradar

sermos macho e fêmea
cálice e patena
vida eterna, plena
foi meu pelejar

mas você, sirena
de alma pequena
desdenhou, é pena
deste amor sem par

e deus, um mecenas
me vendo gangrena
novo amor, verbena
pôs em teu lugar

3 comentários:

Bandys disse...

Mao,
Amor morto
amor posto
beijos

Dalva Rêgo disse...

Você postou esse texto de manhã ou de noite?

Anônimo disse...

senti saudades dos doces que saem da tua cabeça, dos delirios que saem das tuas mãos...