6.12.07

não adianta

não adianta imprecaria
meus filhos serão belos
cultos, saudáveis, singelos
criados com fidalguia

minha mulher será maria
uma flor, uma formosura
será amada sem mensura
fará amor com maestria

viveremos num castelo
sem fosso, sem calabouço
em um reino de esperança

e tu que me praguejas
verás: meu êxito, amouco,
não te sairás da lembraça


4 comentários:

paula barros disse...

vá firme! foi bom participar deste momento. Com nossas crias não se mexem. sucesso! bjs

Erika disse...

quem pargueja que morda os cotovelos de inveja.

desejo a vc todo seu poema, menos a última estrofe, cum força.

beijo

www.oncoto.erikamurari.com.br

Ana Paula Nogueira disse...

onde é esse mundo encantado? mande-me o endereço que eu comprarei somente passagem de ida e ficarei por lá pra sempre.

Anônimo disse...

Muito boooooooom! Fez por merecer minha migalha de comentario. Um abraço!